6.7.09

a meta é a meia #1

Agora é pra valer: o treinamento para a Meia Maratona do Rio começou. A planilha do mês de julho chegou toda turbinada; aumento no volume de treino, tiros de 2.000m pra cá, treino extra de domingo pra lá.... uma belezura, né? Pensei comigo "Essa meia tá no papo". Na prática a história foi outra... a primeira semana não foi moleza não.

Primeiro obstáculo: as chuvas. Quem mora em Recife sabe que o mês de julho é o mês das chuvas e que, por chuva entende-se horas e horas ininterruptas de pingos grossos caindo e transformando a cidade numa grande piscina. E eu tenho que dizer: não gosto de correr na chuva. Quando já estou na pista e começa a chover, termino o treino mesmo debaixo d'agua. Mas sair do conforto do meu lar para ir correr na chuva são outros 500... Conclusão: Quinta feira não fiz os tiros que estavam prescritos na planilha. E o pior: essas chuvas não vão acabar tão cedo.

Segundo obstáculo: correr sozinha. Sexta-feira calcei meu tênis e fui empolgadinha pro parque fazer os tiros de quinta feira. Sozinha, sem treinador animando, sem colegas pra correr junto, sem aguinha na recuperação. Consegui fazer 6 dos meus 8 tiros de 500 metros. Na raça. E lutando contra o meu diabinho que sussurava: "Ah, vamos pra casa! Semana que vem tem tiro de novo". Alguém tem alguma reza pra ter força de vontade por aí?

Terceiro obstáculo: domingo no parque. A confusão é um pouco menor do que a da música do Gilberto Gil, mas correr no parque da jaqueira aos domingos é um teste de paciência e resistência. Sem essas duas habilidades seria impossível correr desviando das crianças que atravessam a pista, ultrapassando os desavisados que caminham na área reservada para corrida, inspirando ora os nauseantes perfumes dos que foram passear, ora os cheiros deliciosos de pipoca quentinha e churros de chocolate. Não tem mais brincadeira...Ê, José!