10.1.09

dois mil engovs

Começo de ano é ruim mesmo quando é bom. E isso não é ruim... Não, eu não estou bêbada. É que depois daquela euforia toda vem a realidade para a qual eu não estava preparada porque fui feliz demais, bebi demais, sonhei demais, sorri demais e fiquei com uma ressaca do tamanho do mundo que não passa nunca. Ressaca boa. De acordar sorrindo feito besta e de repente perceber que parou de trabalhar para olhar mais uma vez as fotos que já conheço de cor e salteado. Mas o mundo não espera sua euforia passar e logo você só tem uma noite para arrumar suas malas porque na próxima segunda feira você tem que trabalhar. Como todo o resto do mundo. Será que só sou eu que tenho ressaca de felicidade?

É como se eu quisesse que cada momentinho bom se perpetuasse eternamente. Eu não deixo as coisas acabarem, eu me apego, eu me agarro a qualquer memória que envolva sorriso e amor. As vezes nem tanto amor, mas eu finjo que é para os porta retratos ficarem mais bonitos. Quando chega a hora de ir embora, eu choro mesmo que o destino seja bom. É difícil pra mim partir. E depois ainda digo que não sei porque sempre sou deixada. Entro no avião e choro, será que no meio de tanta gente só eu sofro de carência crônica? Só eu vivo longe das pessoas que eu amo? Só eu sinto dor em perceber que o que era doce acabou-se? Ou todas aquelas outras pessoas estavam indo para alguma ilha paradisíaca em vez de trabalhar na semana seguinte?

Eu nem queria ir pra uma ilha, eu queria simplesmente que uma coisa não precisasse acabar para que outra começasse. Prazer, eu sou Aline, mais conhecida como a rainha das histórias mal resolvidas. Tudo o que eu queria era que o meu trabalho fosse do lado da praia em que jogávamos futebol. [A partir deste momento estou com uma música do Charlie Brown Jr na cabeça, aquela que fala de escritório e praia e não me responsabilizo por mais nada que escrever na próxima hora]. Sim, eu estava ansiosa para voltar ao trabalho, queria rever meu chefe e saber das suas felicidades, voltar a correr, fazer minha mudança para o apartamento novo, mas é difícil começar ano. Devia ter um hiato entre um ano e outro só pra gente ir se acostumando a botar 2009 na data dos cheques. Eu fiz pouquíssimo nesta semana, mas hoje comprei uma máquina de lavar roupa. Poético, né?