21.4.09

encontros e desencontros - I

Antes de sair de casa pra encontrar com ele, eu não me olhei no espelho nem retoquei o perfume. Tomei um banho rápido, vesti um short normal, uma blusa normal, calcei o primeiro chinelo que me apareceu e não me maquiei. Eu não sou adepta da prática de se arrumar até pra ir à padaria. Eu não sei me produzir para quem eu nem conheço ainda, eu me visto pra encontrar um certo alguém. E aquele almoço não era um encontro e nem eu queria que se tornasse um. Era quase uma boa ação. Era sábado, eu não tinha nada pra fazer e ele insistiu em me ver; na pior das hipóteses eu praticaria meu inglês em uma conversa chata durante o almoço e daria qualquer desculpa para ir embora antes mesmo dele sugerir uma sobremesa.

A verdade é que eu não queria nem encontrar com ele. Politicamente corretos, pulai esse parágrafo. Quando recebi o email daquele negão americano com cara de "dude que curte hip hop no Harlem" me convidando pra almoçar com ele, eu fiz uma careta e perguntei mentalmente: hã? Ele era uma reunião de preconceitos que eu tinha e não estava disposta a perder. 1. Ele era americano. 1.1 Eu nunca conversaria com alguém que sabe mais inglês do que eu e pior: que identificaria meus erros e não me corrigiria. 2. Ele era negão e negões não fazem meu tipo. E eu não ia gastar tempo e dinheiro almoçando com alguém que não tivesse potencial, não é mesmo? 3. O gosto musical... tudo bem, esse era só uma hipótese.

Armada com todos os meus preconceitos, esperei ele sentada na mesa do restaurante. Eu já pensava em como dizer em inglês o quanto eu odeio esperar, quando ele chegou com um sorriso maior do que a minha impaciência. Eu não falei nada sobre a espera, mas implorei para que ele apontasse meus erros, assim eu me sentiria melhor. E ele teve muitas frases para corrigir... não porque meu inglês é uma merda, mas porque eu me senti incrivelmente a vontade pra falar. Descobri que ele era um dude que curtia hiphop, mas que amava mesmo jazz e blues. E, não sei se foi porque ele me fazia sorrir com piadas inteligentes ou porque ele tinha votado no Obama, mas o fato dele ser americano já não me incomodava tanto.