28.2.11

velho demais pra quê?

Das desculpas para não começar ou experimentar algo novo, a que mais me deixa doente é a velha "sou velho demais pra isso". Velho demais para provar um novo sabor, pra viajar, pra conhecer uma banda nova, pra correr. É uma desculpa usado para tudo e por todos que se esquecem de quão boa é a sensação de fazer uma coisa pela primeira vez. É verdade que muitas vezes eu deixo pela metade as coisas que começo, o que também é um defeito seríssimo, mas nunca deixo de começar alguma coisa por ser velha demais pra isso.

Geralmente o que lamento é não ter começado antes uma coisa que me faz tão bem. Foi assim quando comecei a correr em 2008, eu só conseguia pensar: porque não comecei a correr antes? Era uma sensação tão boa e tão feliz que eu queria arrastar todos os meus amigos pra correr comigo também. Mas o que eu escutava em resposta? "Estou velho demais pra começar a correr, eu não consigo". E alguns deles eram até mais novos do que eu...

Nesse ano tenho mais um começo: um curso de francês. Em 2005 comecei a ter aulas de francês na universidade, mas as aulas somente nas manhãs de sábado invariavelmente perdiam para as noites de sexta feira. Terminei deixando o curso ainda no segundo semestre, desistindo antes de saber pelo menos o basicão, mas a vontade de aprender ficou guardada. Seis anos depois resolvi tentar mais uma vez aprender francês, agora em um curso de línguas e em um horário mais confortável. Nem penso na possibilidade de que estou velha demais para uma nova língua. Eu sei que vou aprender e qualquer dia desses vou estar assistindo um filme francês sem legenda. Meta ambiciosa? Claro, ou alguém começa a correr pensando em fazer só 5km? Eu não, quero uma maratona inteira!

Por causa dessa minha nova obsessão, tenho ouvido muita música francesa, inclusive quando estou correndo. Uma das que mais escuto nas minhas corridinhas é "J't'emmène au vent" do grupo francês Louise Attaque: uma chanson pra animar o treino da segunda feira.