19.3.12

Comendo mal - só que não.

Estou preocupada com minha alimentação.  Não estou comendo demais, junkie food ou muito açúcar. E talvez o meu problema seja esse: restringi demais minhas opções. 

O supermercado perto da minha casa tem um "cartão fidelidade" em que você acumula pontos a cada compra e esses pontos são revertidos em um bônus para comprar o que quiser no supermercado. Desde que ganhei o primeiro bônus, adoto a política de só comprar coisas que normalmente não compraria - ou por ser um luxo, uma futilidade ou simplesmente pelo preço não ser compatível com o orçamento familiar. Era com o bônus que comprava aquele queijo caro que sempre quis provar, o creme anti-celulite que acho que não faz efeito, o chocolate suíço que custa o dobro dos nacionais. Não preciso dizer que adoro esse bônus, né?

Desde que comecei a correr e, por conseguinte, a me preocupar mais com a minha alimentação, decidi que o bônus seria para comprar as comidas naturebas e caras que mais ninguém na minha casa gosta além de mim. Granola, quinoa, aveia, soja, açúcar mascavo, grãos integrais, etc. Já faz uns 4 anos que é assim, mas semana passada algo estranho aconteceu: ganhei um bônus de 100 reais e simplesmente não conseguia me decidir por nada para comprar. Dei voltas e voltas pelas gôndolas do supermercado e pensava indignada: "Nesse supermercado só vende carboidrato?!?"

Explico: sem recomendação de médico ou nutricionista, resolvi diminuir os carboidratos da minha alimentação diária. Percebi que usava a desculpa de que eu era corredora para exagerar no pão e no macarrão e deixar a carne e o feijão de lado. Há seis meses, quando me matriculei na academia passei a rever esse hábito e aos poucos fui percebendo que ingeria muito mais carboidratos do que eu realmente precisava. Comer apenas um pão por dia não me faria ficar sem energia para correr no final do dia. Mas comer dois ou três era suficiente para manter os pneuzinhos da barriga apesar de todos os quilômetros corridos.

O problema é que parece que tudo tem carboidrato. Ou talvez faltem opções de proteínas de qualidade. Ou talvez ainda, eu deva criar vergonha na cara e procurar um nutricionista pra me ajudar a balancear carboidratos e proteínas na minha dieta e fazer uma lista de compras decente com várias opções. O que não dá é pra perder o prazer de fazer supermercado (que eu adoro!), o prazer de comprar (adoro mais ainda!) e o prazer de comer (desse é que não abro mão mesmo!).