28.11.12

As possibilidades da corrida

fonte. tumblr
Apesar do cartaz acima, eu acredito que podemos correr sim em todos os lugares. Ruas, estradas, estádios, parques, esteiras, trilhas, natureza. Eu mesma já corri muito na rua, mas ultimamente tenho evitado. O que antes fazia parte do contexto - até de forma harmoniosa - como os carros, o movimento da cidade, o calor do asfalto, hoje em dia me irrita. A poluição não aumentou tanto em um ano, nem o número de carros, mas de uns meses pra cá eu tenho achado ruim respirar esse ar pesado e ter que ficar alerta para desviar do trânsito. A corrida fica menos divertida. Eu assumo, fui eu que mudei. Dizem que com a idade a gente fica mais exigente. Até nisso, meu Senhor? Mas dessa vez desconfio que a culpa não é da idade. Era simplesmente ignorância minha. Como eu poderia saber que prefiro correr em trilhas se nunca tinha experimentado?

Ontem, mais uma vez, essa minha nova preferência foi confirmada. Fiz pela segunda vez a trilha da Fazenda Real e no final prometi que correria lá com mais frequência. O problema é a logística, a rua está na porta de casa e a trilha, tão longe. O nosso comodismo de cada dia. Mas se eu lembrasse de quão melhor é correr no meio do mato não teria tanta preguiça assim. Se eu lembrasse da sensação de chegar no topo de um morro e ao apreciar a vista não ver nada além do verde da vegetação e o céu tão lindo de Teresina. Se eu lembrasse da brisa e da sombra das árvores. Do silêncio e dos sons da natureza. De como o ar puro é mais leve. Acho que eu termino esquecendo desses pequenos prazeres para não tornar mais difícil do que já é, achar algum prazer em correr na esteira da academia.

E por um lado isso é bom, pois cada treino tem algo a oferecer. É verdade que os treinos na trilha são mais lentos do que os do asfalto, mas nem por isso são mais fáceis. As descidas num terreno propício a deslizamentos exige tanto equilíbrio e força nos quadríceps. E as subidas sem o asfalto para te impulsionar para frente são um convite a trabalhar com mais afinco o movimento dos braços. Penso que deve melhorar a minha postura. Enfim, tudo se complementa. O mais importante mesmo é estar aberto às possibilidades da corrida. Enriquecer a experiência. Experimentar novos percursos, terrenos, distâncias, seja lá o que for. Foi assim que descobri que gosto mais  de correr no mato, ainda que eu corra muito mais na esteira e faça uns tiros de vez em quando na avenida.