23.12.12

Mudanças, corrida e sustentabilidade.

Nesse ano percebi algo curioso e agradável nas retrospectivas de redes sociais. Se nos anos anteriores a palavra sustentabilidade era apenas um conceito distante, recorrente em jornais, discursos políticos e teorias, nesse ano ela se se fez tangível e presente na vida de muita gente. No meu Facebook,  li muitos relatos de gente que resolveu ser mais simples em 2012 - pessoas que compraram menos, doaram mais, aproveitaram mais, gastaram menos. Amigas que se recusaram a acumular roupas, sapatos e maquiagens que já não usavam. Amigos que receberam de bom grado os móveis antigos do amigo que mudou de cidade. Aquele tênis que você comprou e não deu certo agora está correndo em outros pés.

E o melhor é que não é algo forçado, para ser modinha. Algumas pessoas realmente internalizaram que a sustentabilidade pode ser uma coisa boa para todos - não é um plano mirabolante para salvar o planeta. Eu não  estou querendo dizer que todo mundo esteja virando São Francisco, pois muitas vezes as boas iniciativas começam pelo próprio benefício. "Quero mais espaço no meu quarto""Quero economizar pra sair do cheque especial" "Quero dar uma utilidade para as coisas que estão no depósito". Um "egoísmo do bem"? Você começa pensando em si e quando percebe já está afetando positivamente outros. And it feels good.

Os pessimistas dirão que a motivação de muita gente foi a falta de dinheiro. O que não faz sentido, pois nós (brasileiros) nunca fomos tão ricos. Eu acredito mesmo em mudanças. Há quanto tempo ouvimos falar sobre sustentabilidade? 10 anos? 20 anos? Nesse ano aconteceu a Rio+20 - 20 anos de Eco 92. Sim, mudanças significativas não acontecem de um dia para a noite. E se você está incomodado porque ainda compra muita coisa que não precisa, produz muito lixo e não ajuda ninguém... tudo bem, já é um começo.

Olhando pra trás fico feliz por ter resistido ao impulso de comprar um novo ipod, afinal o meu nano de 2008 ainda está funcionando perfeitamente. Aliás, ele é de segunda mão; troquei pela minha bicicleta ( que eu não tava usando) com meu sobrinho. Fico feliz também por estar usando a Camelbak (da minha irmã) que já tinha virado item de decoração do quarto. Por outro lado, me envergonho de ter comprado 4 pares de tênis de corrida. Por ainda ter muitas roupas de ginástica acumuladas. E por muitas outras coisas que eu pretendo resolver nessa última semaninha do ano. Sempre é tempo.


Feliz 2013, pessoas.