7.12.12

Sobre cerveja, corrida e amigos.

Recebi um email de um amigo querido e tive que compartilhar aqui. Concordo com tudo e acho ótimo saber que a ciência justifica a nossa "filosofia" de vida. Moderação é a chave!! Obrigada, Rafa!!

Fonte: IRuntoDrink


"Hoje o Murillo compartilhou uma notícia no Facebook relembrando um 
estudo feito na Espanha em 2008, que relacionava os benefícios da cerveja depois do exercício físico. Isso me lembrou daquele simpósio, Cerveza e Salud, que fui cobrir em Madrid. Apesar de todos os lances científicos que tomaram conta da primeira metade -- e sabendo que são eles quem rendem mesmo as matérias --, a parte mais interessante para mim foi quando a cerveja foi relacionada à vida social do espanhol.

Não é surpresa pra gente, que vive nessa nóia de comer bem, que a dieta mediterrânea tem mesmo muita coisa boa a oferecer. O fio de azeite na salada, nossos amados pães, o vinho das noites frias (daqui, não de Teresina, haha). Antes mesmo de ficarmos grandinhos e sabidos, já gostávamos. Mas confesso que só fui descobrir lá que a cerveja também faz parte desse cardápio. E, tanto quanto o vinho -- se brincar, até mais --, ela vem carregada desse ar de celebração entre amigos.

O estudo de 2008 continua válido, claro. Por que não ter a ciência ao teu lado justificando o copo após uma corridinha, né? Mas aí é que entra a tal segunda parte do simpósio. Nela, um educador físico, um médico do esporte, além de um chef e uma corredora contavam suas relações com a dieta e, principalmente, com a cerveja. Quem mais chamou atenção foi a atleta. Nuria Fernández é especializada em provas de 1.500m e foi campeã européia nessa categoria em 2010.

Ela contou sobre a preparação para as provas, destacando como foi, lentamente, ficando distante dos amigos, da convivência familiar, focando apenas nos treinos. Isso, claro, também a deixou longe da cerveja com a galera. O que para muitos treinadores soa como imprescindível, fez os rendimentos dela caírem muito. Ao invés de melhorar, já que seu foco era um, ficar longe desses momentos a fizeram não ter vontade de voltar ao treino. Nesse meio tempo, ela engravidou.

Teve que diminuir a rotina e deu um pause nas provas, sem parar de treinar, claro. Contudo, quando retornou do resguardo, decidiu não mais ficar longe de ninguém. E montou um grupo de amigos para correr no qual, ao fim, todos bebem cerveja juntos. Daí, depois de ter um filho, montar o grupo, voltar a beber cerveja... ela foi campeã! Moral da história? Não, não é que a cerveja ajuda sozinha. Aliás, moderação era a palavra de ordem durante todo o evento, seja o que for, até a água.

O que a cerveja (também) faz é unir as pessoas. Essa união dá gás. A corrida é um esporte solitário, mas só durante as provas. Quando é treino, seja na Raul Lopes ou no Parque da Cidade, o melhor é ter alguém junto, para comparar tempo, conversar sobre o tênis, falar da legging ou do short novo que comprou e, claro, bater as metas. Acho que ainda é isso que me falta pra me convencer que preciso correr atrás de ti, alguém para me acompanhar. Mas queria mesmo era correr ao teu lado, aqui em Brasília. "



Sagitariano dado a todos os excessos que o signo pede, Rafael Campos viu que, depois dos 25 anos, o corpo só cresce para os lados e resolveu que não seria mais fofinho. Desde então, adora sentir aquela dorzinha que um exercício bem feito dá e sempre que come demais, se arrepende. Mas nunca deixa de comer.

Ah, e é uma das minhas pessoas preferidas da vida inteira!