31.8.12

8 milímetros de dor.

"Quando nasci, um anjo torto, desses que vivem na sombra, disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida." CDA
 Na primeira vez que fui à um ortopedista minha mãe me levou nos braços, tinha dois anos de idade e perninhas bem tortas. Não sabia que aquela consulta seria relembrada mais de 20 anos depois. Depois de fazer o exame da baropodometria, a fisioterapeuta me pergunta: "Você era gorda nos primeiros anos de vida? Usou bota ortopédica?" A resposta era sim, para ambas. Era uma gordinha das pernas tortas que usou bota ortopédica até passar de um problema para outro e depois usou mais um pouco pra ficar, enfim, normal. Bom, nem tão normal quanto eu imaginava.

A baro - já estamos íntimas tamanha minha afeição à esse exame - confirmou o que a escanometria quantificou: uma assimetria de 8mm nos membros inferiores. O lado esquerdo é maior. Vai, Aline! Ser gauche na vida. Fiquei "feliz" em saber que existe algo errado nesse quadril, pois já não aguentava mais ir de médico em médico e ninguém saber qual era o meu problema. Fiz inúmeros raios-x, ressonâncias, ultrassons e tudo aparentemente normal. Então como explicar a dor que me impedia de correr? Os médicos mais cínicos diziam "Deve ser algo muscular. Repouso, biprofenid e fisioterapia. Tchau e bença". E isso nunca adiantou.

A dor sempre voltava. No quadril, na panturrilha e por último no pé. Sempre no lado esquerdo. Eu já achava que a culpa era minha, devia estar fazendo algo muito errado. Mas como alguém pode desaprender a correr? Depois da meia do Rio, voltei ao médico e mais uma vez não encontrei alguém disposto a investigar a origem da minha dor. Resolvi que eu mesma o faria então. A baropodometria é um exame que o plano de saúde não cobre, portanto não precisa de requisição médica. Custou R$180,00 e acho que é um bom investimento para quem corre. Um tênis que você compre e que seja inadequado pra teu pé vai te dar muito mais prejuízo.

Não sei se a palmilha vai ser a solução dos meus problemas, se vou conseguir correr novamente sem sentir dor na perna esquerda, mas dá um certo alívio em saber a origem do seu problema, pois mesmo que a solução não seja fácil, pelo menos você já sabe por onde começar a tratar.  E caso você tenha filhos e eles nasçam com as perninhas tortas, faça a eles um favor: nada de botinhas ortopédicas!