1.8.12

Uma campeã entre nós

No último domingo uma menina que malhava na mesma academia que eu ganhou uma medalha de ouro nas Olimpíadas de Londres. Parece mentira, né? Mas passou na televisão e o Brasil inteiro viu a Sarah Menezes ser a primeira mulher a conquistar um ouro olímpico no judô. Sempre todo mundo criticou o fato dela nunca ter saído de Teresina pra treinar num lugar melhor - aqui a Sarah não malhava em aparelhos de última geração, não corria numa esteira super moderna e nem tinha a sua disposição um staff de profissionais do esporte.  Enquanto para muitos isso poderia ser uma justificativa perfeita para o fracasso, para ela foi só mais um detalhe na trajetória. Uma lição pra quem (eu?) vive inventando desculpas para não dar o melhor de si. E como bem disse o ídolo Steve Prefontaine: "To give anything less than your best is to sacrifice the gift".

Eu estou cansada de ouvir "Ah, eu já tenho 40 anos, não dá mais pra ~aprender~ a correr", "Eu não tenho tempo pra malhar", "Eu tô muito gordo para começar uma atividade física", "Tá muito frio" e o clássico "Tá quente demais!". Claro, estou cansada de falar também. Eu vivo dizendo que tô velha demais pra aprender a nadar. E eu sei que é uma mentira deslavada que eu invento só pra fugir de uma piscina cheia de crianças. Sim, crianças são cruéis e eu tenho medo de ser bullynada por elas! (hahaha). Tem gente que diz que a musculação não dá resultado porque a academia é pobrezinha ou diz não conseguir fazer dieta porque a feira fica mais cara com produto diet e light. E eu nem estou falando de ganhar uma medalha de ouro numa Olimpíada, mas simplesmente de não desistir.

 Parece que desde pequeno nós vamos sendo ensinados que a grandeza é para poucos - a menina mais bonita que foi eleita "miss alguma coisa"ou o menino que passou em primeiro lugar no vestibular - sem perceber quão amplo é o conceito de grandeza e quantas possibilidades existem nessa palavrinha. Desistimos antes mesmo de tentar. E assim vamos nos conformando com alguma versão obsoleta de nós mesmos. Bom, a vitória da Sarah serve como um recadinho: Não desista. Afinal, se dá pra ser campeã olímpica comendo brigadeiro de colher, o que você sonha não deve ser tão impossível assim.